Resenha - Histórias Mínimas, Sobre Medos e Flores, Azul Inalcançavel - Maiesse Gramacho

Oi gente,


Sabe aquele autor que você deseja conhecer, pois bem, para mim seria uma honra conhecer mais sobre a vida de Maiesse Gramacho, a autora de três livretos incrivelmente deliciantes, envolventes. Muitos podem de dizer que um livro de crônicas cai na mesmice, mas acredite em mim, são livro para ser reler o tempo todo, acredite em mim, assim que terminei cada um deles, eu os reli.




 Esse foi o meu preferido dos três, querem saber como eu o definiria?
LINDO, RÁPIDO E SEDUTOR.
É minusculo na minha opnião, são 58 paginas de puro amor e paixão.
Nem tenho como me delongar, são passagens que deixam uma reflexão dentro de você, um desejo de quero mais.

Minhas favoritas foram: " Que quer de mim? Até a sua sombra." e " Você entrou na minha via sem pedir licença e agora quer sair dela sem dizer adeus?! "

PS:nunca mais comi uma cereja com o mesmo sabor de antes.



Sabe aquele desejo de quero mais que falei? Pois é, a Maiesse não foi malvada e nos deu um livro que posso definir como:
PENSATIVO, REALISTA, EFÊMERO E (ao mesmo tempo) ETERNO.
São 66 páginas que faz você pensar na própria vida e na das outras pessoas. Como será a vida das pessoas que passam por você na rua? Assim como M. eu crio historias mentais sobre essas pessoas, assim como o seu mendigo nórdico. É o livreto do seu cotidiano.

Na sua entrevista diz que alguns dizem que esse é o seu projeto que não tem nada haver com os outros. Bem eu já acho o contrario, já que:
MISCIGENAÇÃO DOS ANTERIORES + A DOR E SOFRIMENTO.
Nesse M. coloca a sua dor e sofrimento, porque essa é a parte complicada do amor. E coloca o erotismo necessário, coloca a desolação da solidão e coloca as lagrimas de desespero.

É incrível, magnifico. 





Como eu disse, eu gostaria de conhecer a autora, e assim como muitos sei que são curiosos como eu esta ai um pouco dos pensamentos de Maiesse Gramacho. Parabéns pelos seus escritos, nota 10.


Entrevista Bônus com a Autora
Com quantos anos você começou a pensar em publicar?
A vontade de publicar um livro sempre existiu. Mas só em meados de 2009 (com 32 anos, portanto) tive condições de transformar esse sonho em realidade. Foi quando reuni o material que viria a compor Histórias mínimas, publicado em abril de 2010. E, também, quando tive condições financeiras de bancar a publicação.

De onde vem tanta inspiração?
De diversos “lugares”, eu diria. Primeiro, de muita leitura; segundo, de acontecimentos do cotidiano; terceiro, da minha sensibilidade; e, quarto, da minha coragem para enfrentar as duras verdades existenciais da condição humana. Em Azul inalcançável, penso, é onde tudo isto se revela de forma mais clara. Nele, volto meu olhar para aspectos sutis do cotidiano: as contradições nossas de cada dia, as dificuldades que encontramos para nos comunicar, as dúvidas que muitas vezes povoam nossas almas e os medos que nos impedem de tomar atitudes capazes de mudar destinos.

Sua família deu apoio?
Sim, total. Família e amigos. Foi uma “festa” quando anunciei que publicaria um livro! Mas a pessoa que ficaria mais feliz, meu pai Jair Gramacho Filho, infelizmente não pôde vivenciar essa alegria. Ele, que era professor de literatura e foi meu mentor intelectual, faleceu há oito anos.

Tem algo que você gostaria de ter posto no livro, mas teve vergonha?
Com certeza! A versão do conto “Criaturas raras” que consta deHistórias mínimas foi editada. A versão original é bem mais erótica. E olha que esta que está no livro já transborda erotismo...

De qual parte e de qual livro você mais gosta?
Gosto dos três igualmente. Dizem que Azul inalcançável, lançado ano passado, é bem diferente dos meus dois títulos anteriores (Histórias mínimas, de 2010, e Sobre medos e flores, de 2011). Não sei. Prefiro acreditar que os três “conversam” entre si e revelam muito de mim. O primeiro, uma mulher intensa, que vive suas experiências com honestidade; o segundo, uma observadora do cotidiano, de olhos atentos; e o terceiro, alguém que possui mais perguntas que respostas.

Há 10 anos você imaginava sua vida assim?
Na verdade, não. Tinha outros planos, mas a vida me levou por outro caminho.

E daqui a 10 anos como você imagina sua vida?
Prefiro não imaginar. Algumas mudanças começam a se delinear, mas prefiro deixar acontecer. Só peço a Deus saúde. Em termos de literatura, espero publicar alguns livrinhos mais... Agora, já trabalho no quarto título, que será de poemas e deve sair em 2015.
Quais seus autores e obras prediletas?
São tantos! Mas vamos lá: Albert Camus, Franz Kafka, Milan Kundera, Daniil Kharms, Charles Bukowski, Ian McEwan, Mario Benedetti, Juan Ramón Jiménez, Pedro Juan Gutiérrez, Dalton Trevisan, Caio F. Abreu, Raduan Nassar, Adonias Filho, Marguerite Duras, Hilda Hilst, Clarice Lispector, Manuel Bandeira, Vinicius de Moraes, Paulo Leminski... São nomes que você vai encontrar na minha biblioteca.
 Último livro lido?
O africano, de Jean-Marie Gustave Le Clézio.
Se fosse um personagem, qual você desejaria ser e qual época desejaria viver?
Tenho uma especial simpatia pela personagem Sabina, de A insustentável leveza do ser (Milan Kundera). Compartilho de muitos dos conflitos internos dela, das dúvidas, e também vejo semelhança na forma com que ela se relaciona com o amor, o sexo, o compromisso. Quanto à época, acho os anos 50 e 60 bem interessantes.

Comentários

M. Gramacho disse…
Obrigada, Júnia, pelo espaço!
Sucesso ao seu blog!
Júnia Benvindo disse…
Ah, eu que agradeço por estar nos dando a liberdade de divulgação do seu trabalho.
Se precisar é so chamar.
Bj, siga.
Adorei a entrevista.

Parabéns! :)

Beijos!

http://amantesporlivrosefilmes.blogspot.com.br
Júnia Benvindo disse…
Obrigada Manu, eu que agradeço pelo carinho :)
Bj,

Postagens mais visitadas deste blog

Resenha - Alice no Pais do Amor - Lucilla Guede - Chiado Editora.

Resenha - Quatro Estações - Juliana Marinho

Resenha - Confissões de Uma Garota Excluída, Mal-Amada e (Um Pouco) Dramática - Thalita Rebouças