Livro x Filme : A Culpa é das Estrelas - John Green







Oi gente,

Tudo Okay?
Espero que sim pois hoje falaremos do acalmado livro e do recém lançado filme A Culpa é das Estrelas (ACEDE), escrito pelo autor John Green.
A historia trata em base de amor , cancer, vida e morte, e como não nos devemos deixar abater pelas coisas ruins que acontecem na nossa vida.


Hazel Grace é uma sobrevivente do câncer, inicialmente diagnosticada com câncer na tireoide e que se espalhou pro pulmão, fazendo com que ela praticamente se afogasse no próprio corpo, mas graças a um remédio ela ficou viva por mais tempo. Augustus Waters é o tipo de garoto engraçado, fofo que faz todo mundo se apaixonar, ele não tem câncer já faz uns dois anos quando conhece Hazel Grace, o câncer cessou mas ele teve de amputar uma das pernas pra isso.
Eles se conhecem no grupo de apoio, no coração literal de Jesus, através de Isaac, um amigo do Gus, é realmente um livro super fofo, faz você rir muito porque os personagens apesar de tudo são bem humorados, e que faz claro você chorar porque trata de tudo de forma melodramática( um jeito bom de se falar). Gus e Hazel vivem um amor da forma pura, de uma forma que somente o amor verdadeiro é capaz. Eles lutam juntos por aquilo que acreditam, e nunca se esquecem que o tempo que têm juntos é muito precioso.







Primeira coisa, o filme é SUUUUPER fiel ao livro, uma coisa que super valorizo em uma trama, o John acompanhou as filmagens bem de perto e ajudou na escolha dos atores. Assim os atores foram muito criticados, já que de modo algum se parecem com a descrição dada no livro, Gus tem 17 anos, é alto, magro, mas musculoso, atraente e tem um sorriso fácil. Ele tem olhos azuis intensos e cabelo acaju, liso e curto/ Hazel tem 16 anos, olhos verdes, pele clara e cabelo curto.. Entretanto como nem tudo é tragedia, os atores foram incríveis e maravilhosos na atuação, conquistando o publico, claro que o Ansel é super fofo então não tem como não se apaixonar por ele e pelo seu sorriso torto maravilhoso, a Shailene já era conhecida pelo seu papel como Tris 

em Divergente, onde (estranhamente) era irmã de Ansel.
O filme chegou as telonas nesta quinta feira dia 5 de Junho
de 2014, eu tive o prazer de ir na estreia e pegar a primeira sessão, um cinema lotado de
lagrimas e sorrisos conhecedores dessa historia tão linda.

ATENÇÃO , NÃO INDICADO PARA QUEM NÃO VIU O FILME E NEM LEU O LIVRO.

Assim, enquanto eu assistia o filme não pude deixar de sentir falta de algumas coisinhas.
Não foi falado da ex namorada do Gus que morreu de câncer, nem do momento que Isaac diz
com o video game que não consegue entender a falta de Gus, o dilema do café da manhã,
nem o Van abrindo a porta e batendo na cara deles, não é o Otto falando na hora do beijo,
no livro ela pergunta logo se eles não podem fazer amor de novo, e não beijar.
Senti muita falta do desespero dela no funeral, gritando okay okay, a procura da carta
não foi nem um pouco parecida. O Van não é gordo, e nem o restaurante é do mesmo jeito.
Mas tiveram algumas mudanças que eu preferi como no filme, como no momento que eles se
conhecem, prefiro a Anne Frank falando durante o beijo, prefiro o Gus falando que esta
apaixonado no restaurante e não no avião, prefiro ele ir busca-la de limosine em vez de 
ela escutar ele brigando com a mãe(fator que eu acho que deveriam ter posto de algum jei-
to).


Deixo aqui algumas frases do livro. As que eu por * é porque não estiveram no filme.

"Meus pensamentos são estrelas que não consigo transformar em constelação"*

"Mas todo mundo deveria ter um amor verdadeiro que deveria durar pelo menos até o fim da vida da pessoa"*

"Eu tenho medo de ser esquecido"

"Alguns infinitos são maiores que outros"

"O mundo não é uma fabríca de realização de desejos"

"Sem dor como reconheceriamos o prazer"

"As vezes as pessoas não têm noção das promessas que estão fazendo quando as fazem"

"Me apaixonei do mesmo jeito que alguem cai no sono: gradativamente e de repente, de uma hora pra outra"

"As vezes o universo quer se notado"*

"Você me deu uma eternidade dentro de dias numerados"

"Gosto de ser gostado"*


Como veredito final, eu prefiro o livro, e vocês?


Comentários

Anônimo disse…
Liivro tambem. Mas confesso que chorei mais no filme haha... Como vc disse, algumas mudanças ficaram boas, e o filme ficou beeeeem fiel ao livro.
Amei seu blog :D
Júnia Benvindo disse…
Obrigada mesmo, volte sempre.
Pois é , acho que chorei mais no filme tambem, mas tem toda aquela coisa de musica ne que tambem influencia a gente..
Bj

Postagens mais visitadas deste blog

Resenha - Alice no Pais do Amor - Lucilla Guede - Chiado Editora.

Resenha - Quatro Estações - Juliana Marinho

Resenha - Confissões de Uma Garota Excluída, Mal-Amada e (Um Pouco) Dramática - Thalita Rebouças